Coordenadora: Marlene Santim - 3029-4328
E-mail: marmuncio@hotmail.com

Vice-Coordenadora: Cleide Filipim Santim - 3246-1249/9954-4749
E-mail: cleidefsantim@hotmail.com



Para ver a estrutura completa da comunidade, clique no link Organograma na primeira página



 Histórico da comunidade São Paulo Apóstolo

     Segundo Padre Roque Schneider, passamos a vida entre recordações e esperanças; Recordando voltamos ao passado; Alimentando expectativas olhamos para frente, resumindo somos o que fomos e o que seremos, “O ontem trabalha sobre o hoje”.
Uma das lições para o segredo da juventude de espírito é estar sempre renovando reinventando, porém sem esquecer as lições do passado, pois não há futuro pra quem renega suas raízes
Diante das sabias palavras do Padre Schneider e das diversas inovações ocorridas nas Comunidades da Paróquia Santo Antônio de Pádua registraremos aqui um pequeno histórico da Comunidade São Paulo Apóstolo (anteriormente chamada de Setor 4A), que conta singelamente de nosso passado e das aspirações de nosso presente e futuro.
Segundo os moradores mais antigos da comunidade, a divisão geográfica da Paróquia Santo Antônio de Pádua era setorizada. O espaço onde compreende hoje a Comunidade São Paulo era chamado de setor 4A e 4B. Com a construção da paróquia Nossa Senhora Aparecida o então Arcebispo Dom Jaime Luiz Coelho, fez com que toda comunidade que morava abaixo da avenida Morangueira pertencesse à nova paróquia, mas a mudança não foi bem aceita pelos fieis que continuavam participando das missas na paróquia Santo Antônio, as participações nas missas e festas da nova paróquia se resumia aos coordenadores. O arcebispo fez então uma nova divisão no setor 4B que era muito grande. Uma parte do setor ficou na paróquia Nossa Senhora Aparecida e outra se juntou ao setor 4A que ficaria na paróquia Santo Antônio de Pádua. Nesse período, devido às transformações propostas pela Arquidiocese foi estabelecida uma divisão em CEBs (Comunidades Eclesiais de Base), e os outros setores da paróquia já haviam adotados o processo para CEBs e escolhido os nomes dos quatro evangelistas como seus padroeiros; e dentre os que podiam ser adotados Paulo foi o escolhido, dessa forma o Setor 4A passou a se chamar Comunidade São Paulo Apóstolo.
O espaço onde compreende hoje a Comunidade São Paulo era subdividido em quatro grupos de reflexão: São Miguel Arcanjo, João Paulo II, São João Batista e Nossa Senhora das Graças. Com exceção do grupo São Miguel Arcanjo, os grupos estão na ativa há mais de 30 anos. O grupo João Paulo II tem hoje 34 anos.
Após a divisão foi constatada a necessidade da formação de uma diretoria dentro da comunidade. O padre Dirceu, pároco que estava à frente da paróquia naquele momento, convocou uma reunião com a comunidade no dia vinte e sete de janeiro de dois mil e três e assim foram criadas as novas lideranças que ainda hoje existem (coordenador, vice-coordenador, secretaria e um representante de cada pastoral).
Com as transferências de padres na Arquidiocese, o Padre José Moreira Silveira assumiu e vieram outras transformações: dentre elas as Missões Redentoristas – sem dúvida nenhuma um divisor de águas para a nossa Paróquia. As Missões aconteceram em 2008 e formaram na Comunidade dezessete grupos, sendo que alguns se mantém firmes e ativos até o momento; outros se juntaram, e outros ainda se tornaram inativos. A diretoria formada em 2003 se dispersou ficando apenas alguns coordenadores no cargo a que foram eleitos, surgiu novos coordenadores, porém sem o processo de assembléia, somente com indicação ou convite.
Em dois mil e dez aconteceu novamente transferências de padres na Arquidiocese, e tivemos a graça de receber dois padres, padre Sandro e padre Sidney. Eles chegaram aqui em janeiro e mostraram muita vontade de trabalhar e demonstrando um carinho especial às comunidades. Segundo eles a comunidade é base da Igreja. Dessa forma resgataram as assembléias e em outubro de dois mil e dez a comunidade São Paulo elegeu uma nova diretoria assim como coordenadores e vices coordenadores de pastoral ou movimento.
Foram muitas as mudanças em dois mil e dez, pois surgiram novos ministros da eucaristia, novos catequistas, mas sem dúvidas a maior mudança ocorreu dentro dos grupos de reflexão com a iniciação à vida cristã (Ninguém Cresce Sozinho - 1º e 2º tempo do catecumenato). Esse método transforma o interior, a essência e a base, isto é, a raiz e quando a raiz esta forte o galho pode até pender, mas nunca cair, por isso, nós, diretoria, coordenadores, ministros e catequistas da comunidade estaremos empenhados na melhor condução dos nossos trabalhos dentro da comunidade e frente à Igreja. Pensamos durante todo o tempo na responsabilidade que temos ao representar diante dos fieis o nosso amado Padroeiro. O amor de Paulo a Jesus Cristo era imenso. Ele falava de Jesus, seus projetos e maravilhas a todos, em diversas ocasiões e para diferentes culturas.
Paulo estava sempre inquieto com o que havia conquistado para Jesus... Ele queria sempre mais. Queria que todos conhecessem o amor do Senhor.
Para São Paulo, amar e servir a Deus era exemplo e um espelho – assim todos poderiam fazer o mesmo. “Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Mas como invocá-lo sem antes crer nele? E como crer, sem antes ter ouvido falar dele? E como ouvir sem alguém que pregue? E como pregar sem ser enviado para isso?” (Rm 10, 13-15). Nós fomos enviados e por isso não podemos esquecer-nos de suas atitudes, do seu dinamismo, das suas ideias e de sua coragem. A virtude está dentro de cada um. É necessário colocá-la em prática, assim como ele o fez.
Através da graça de Cristo Jesus, falemos de sua misericórdia ao mundo. Façamos com que as pessoas entendam que o milagre de Deus acontece hoje, como ontem... Quanta necessidade de “Paulos” há no mundo de hoje! A construção deste melhor lugar depende de nós. Sejamos então, Paulo a serviço do Senhor!

Elizete Rosa dos Santos
Coordenadora da Comunidade